terça-feira, 20 de maio de 2014

26-"As minhas esperanças de o encontrarmos acabaram de morrer."

Estávamos já na rua, junto aos carros quando o meu telemóvel apitou com uma mensagem. Retirei o telemóvel da mala e quando olhei para o visor, vi o nome de quem menos esperava receber uma mensagem.
«Estou em Lisboa. Podemos encontrar-nos? Lisandro.»

-É o Lisandro!-Dei o telemóvel para a mão do Enzo para ele ver.

-O Lisandro? Mas o que é que ele quer?

-Olha os ciúmes!-Picou a minha irmã.

-Da última vez não ficaram amigos?


-Conhecidos mas nunca me esqueço que ele te beijou.


-Que me dizem de irmos até uma esplanada e eu o convidar para ir lá ter?


-Não sei quem ele é mas por mim pode ser!-Disse a minha irmã.

-Futuro jogador do Benfica.

Mandei uma mensagem ao Lisandro com a morada do café a que íamos e 15 minutos depois já estávamos todos à mesa, menos o Lisandro que permanecia de pé.
-Então Lisandro não te sentas?

-Não. Vim só mesmo para te ver e dizer que já não vou para o Benfica este ano, talvez no próximo.

-Vieste a Lisboa fazer o que?-Perguntou o Enzo.

-Vim para assinar o contrato mas não correu bem.

-Tenho pena, Lisandro.-Disse eu.

-É, também eu! Mas olha tenho de ir, tenho o avião para apanhar.-Despedimo-nos e ele saiu. Tinha sido tudo um pouco estranho porque ele podia-me ter dito o que disse por telemóvel, não precisava de me ver.

-Porque é que eu estou com a impressão que ele gosta de ti?-Perguntou o Enzo.

-Não sei Enzo mas deixa-o, ele agora lá arranja alguém que goste dele! Eu sou apenas tua.-Ele sorriu mas mudamos logo de assunto.

-Desculpem interromper o vosso momento amoroso mas temos de falar de outra coisa.-Disse a minha irmã.

-O que?-Perguntei eu.

-O nosso irmão.

-Queres conhecê-lo?

-Pelo menos falar com ele. Tu não?

-Quero! E como é que vamos fazer isso?

-Falem com o vosso pai para ver se ele tem alguma pista para vos dar.-Sugeriu o Nico.

-Sim é melhor!-Disse eu.

-Vamos agora?-Perguntou a Catarina.

-Sim.

-Podemos ir com vocês?-Perguntou o Enzo.

-Sim claro! Vamos lá então!-Disse eu.

* * *
-Como é que ficaram as coisas?-Perguntava eu à minha mãe.

-Decidimos que o que faz parte do passado fica no passado. Mas ainda não está mesmo tudo bem mas vai ficar.

-Espero que sim!-Disse a minha irmã.

-Nós gostávamos de saber do nosso irmão.

-Acho que fazem bem!

-Não te importas?-Perguntei eu.

-Claro que não! É vosso meio irmão, é normal que o queiram conhecer!

-Obrigada mãe!

Seguimos até à sala onde estava o meu pai, o Enzo e o Nico na conversa. Estava na altura de tentarmos saber algo que nos pudesse levar até ao irmão que tínhamos descoberto a sua existência há umas horas.
-Pai...tens alguma informação que nos possa levar ao nosso irmão?

-Tenho a morada da mãe dele, só isso.

-Podes dar-nos?

-Sim. Mas não sei se ela ainda mora no mesmo sítio.

-Logo se vê!-O meu pai escreveu a morada num papel, deu à minha irmã e ela guardou.

-Queres ir lá hoje ou amanhã?-Perguntou a minha irmã.

-Secalhar amanhã é melhor não?

-Sim. 

* * *
Hoje era um novo dia, dia em que iria tentar descobrir algo do meu irmão. Acordamos eram 10h, vestimo-nos e fomos até casa da minha irmã. De lá seguimos cada um em seu carro para a morada que o meu pai tinha dado. Ia distraída a trocar algumas mensagens quando o Enzo travou, assustando-me.
-O que é que aconteceu?

-Ele travou...acho que chegamos!

-Não era preciso travar assim!

-Concordo! O Nico tem o pé pesado!

-Mas calma...chegamos...é onde?

-Não sei. A tua irmã é que tem a morada.- O Enzo acabou de estacionar e eu saiu logo do carro, indo directa ao carro do Nico.

-Catarina...qual é a casa?

-Aquela!-Disse ela apontando para a casa que estava mesmo à nossa frente.

-Aquela? Tens a certeza? Isso não está mal?

-Não! Numero 23.

-Mas...aquela casa é...a casa da Marta!

-A Marta...a tua melhor amiga?

-Sim não conheço mais nenhuma.

-Então mas ela tem algum irmão?

-Não!

-Vamos lá?

-Sim! Agora quero perceber isto!-Caminhá-mos os quatro até à porta e tocamos à campainha. Alguns segundos depois a mãe da Marta já nos abria a porta. 

-Ana?

-Bom Dia! Desculpe incomodar mas eu gostaria de falar consigo.

-Claro! Entrem!-Entramos os quatros e apresentei os rapazes à mãe da Marta.

-Passa-se alguma coisa?-Perguntou a senhora.

-Eu vou directa ao assunto...eu e a minha irmã ontem descobrimos que o meu pai teve um filho antes de nós de outra mulher.

-E o que é que eu tenho a ver com isso?-A postura e o tom de voz da senhora tinha mudado por completo.

-E a morada de essa senhora...é esta...é a sua casa.

-Mas não sou eu! Deve ter morado aqui alguém antes de mim.

-Tem a certeza? Não sabe se morou aqui alguém antes de si?

-Não sei nada. Agora desculpem mas eu vou ter de sair.

-Claro então nós vamos andando!-Despedimo-nos da senhora e saimos.

-Foi só a mim que isto me pareceu estranho?-Perguntou a minha irmã assim que chegamos ao pé do carro.

-Não!-Respondemos os três.

-As minhas esperanças de o encontrarmos acabaram de morrer.

-Calma princesa!-Disse o Enzo, rodeando a minha cintura com os seus braços.

-Não temos mais pistas.

-Vão aparecer!-Disse o Nico.

-Vamos para casa?-Perguntou o Enzo.

-Sim!-Despedimo-nos da minha irmã e do Nico e voltamos a casa.

* * *
Estávamos em casa há já algum tempo. Estávamos os dois a apenas trocar alguns mimos no sofá, era aquilo que eu mais precisava, quando alguém tocou à campainha.
-Estás à espera de alguém?

-Não!

-Eu vou lá!

-Não! Estava aqui tão bem agarrada a ti!

-Então eu não vou!-Voltaram a tocar à campainha.-Secalhar é melhor lá ir.

-Vai lá!-Levantei a minha cabeça do colo dele e ajeitei-me no sofá. O Enzo abriu a porta e do outro lado estava quem eu menos esperava.

-Marta?-Perguntei eu, levantando-me do sofá e caminhando apressadamente até à porta. Cumprimentei-a e puxei-a até ao sofá.

-A minha mãe contou-me tudo e eu sai logo a seguir. Não conseguia fazer o que a minha mãe fez.

-O que é que queres dizer com isso?
---------------------------------------------------------------------------
Olá! 
Espero que tenham gostado deste capitulo! Não está nada de especial mas não podia avançar muito mais.
Espero, também, que deixem os vossos comentários! Eles são muito importantes.
Besos!

5 comentários:

  1. Olá :)
    Bem!...primeiro que tudo, gostei muito deste capitulo :)
    Não sei cá porquê...mas suspeita-me que a mãe da Marta sabe mais que aquilo que aparenta...hum!...
    Espero pelo próximo bjs :*

    ResponderEliminar
  2. Olá ;)
    Gostei muito do capítulo ;)
    :O mas não se acaba assim falta aí ainda um bom bocado do capítulo haha :P
    Cá para mim a mãe da Marta esconde algo :P
    Fico a espera do próximo
    Bjs ;)

    ResponderEliminar
  3. Olá
    Gostei muito do capitulo.
    Por momentos parecia que estava a ler daquelas coisas policiais :o , encontrar o irmão perdido * , acho que Marta e a mãe dela têm muito que contar , aquilo ainda vai dar muito que falar.
    Espero o próximo.
    Beijos *Rita

    ResponderEliminar
  4. Olá, olá, olá (hoje digo-te muitos olás :o )

    Opá opá opá!!! Então mas oh mas então!? Elas andam à procura do irmão, vão até casa da melhor amiga da Ana, depois ela fala daquela maneira e a Marta aparece lá em casa!? Isto não me está a cheirar bem...ai não está não. Será que é o pai da Marta o irmão dela...? Mas deve ser velho demais para isso... Será que é uma irmã e não um irmão? Assim podia ser a Marta :O ai ai ai eu espero para ver espero.
    Quero o próximo quero quero!
    Beijinhos
    Ana Patrícia.

    PS: QUE AQUELE LISANDRO NÃO CAUSE DANOS!

    ResponderEliminar